Millenium Papers
Para Entender o Brasil

O projeto Millenium Papers, do Instituto Millenium, é uma série de policy papers feitos por renomados especialistas, para entender o Brasil e fomentar o debate sobre as políticas públicas no país.

O que você acha de gastar quase R$ 5 bilhões para os políticos fazerem campanha? Imoral, talvez… mas o novo estudo do Instituto Millenium vai além disso. Na 14ª edição do Millenium Papers, Milla Maia e Priscila Chammas analisam se o Fundo Especial de Financiamento de Campanha (FEFC), conhecido popularmente como Fundão Eleitoral, faz realmente o que se propõe: ajudar a democracia, garantindo o financiamento das campanhas de quem não teria outros meios para isso.

Fundo Eleitoral: O preço da democracia ou um instrumento de perpetuação política? contém uma robusta análise de dados do processo eleitoral de 2022, que nos ajuda a entender a quem verdadeiramente tem servido o financiamento público de campanha e por que ele foi aprovado pelo Congresso mesmo tendo forte rejeição popular. É o segundo paper do Millenium sobre o tema. Leia o primeiro aqui.

Será que a situação mudou de lá pra cá? Clique no paper e confira!

As Autoras
unnamed
Milla Maia

Economista e CEO do Instituto Millenium

Priscila_Chammas1
Priscila Chammas

Jornalista e gerente de conteúdo do Instituto Millenium

Millenium Talks

E para se aprofundar melhor no tema, as autoras Milla Maia e Priscila Chammas estarão, na próxima sexta-feira (16) no Millenium Talks: As distorções e os incentivos gerados pelo fundão eleitoral. Será que são tantos assim? O apresentador e produtor do documentário Brasil Paralelo, Arthur Morisson, ajuda a responder essa pergunta. Será às 20h. Não perca!

Compartilhe em Suas Redes
Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on linkedin
Share on whatsapp
Ouça o Podcast em Outras Plataformas
Quem Está Falando

Extra

Dos R$ 4,9 bilhões disponíveis, R$ 2,5 bilhões (50,5%) irrigaram as campanhas de 950 nomes na disputa, o equivalente a apenas 3% dos que tentam algum cargo neste ano. 

Revista Oeste

Curiosamente, o partido defende cotas e outras políticas sociais para diminuir supostas diferenças socioeconômicas.

O Globo

Dos R$ 4,9 bilhões disponíveis, R$ 2,5 bilhões (50,5%) irrigaram as campanhas de 950 nomes na disputa, o equivalente a apenas 3% dos que tentam algum cargo neste ano. 

UOL

Estudo baseado em informações do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) mostra que 66,2% dos R$ 2,5 bilhões de fundo eleitoral liberados até o dia 3 de setembro estão concentrados nas mãos de candidatos brancos, tanto homens quanto mulheres.